sexta-feira, 20 de março de 2020

4º DOMINGO DA QUARESMA - QUE NOSSOS OLHOS FALEM DE ESPERANÇA

Olhos abertos e curados
Esperam sempre pela aurora.
Enxergar a vida com esperança
É fruto de um Encontro.

QUE NOSSOS OLHOS FALEM DE ESPERANÇA

Vemos diante dos nossos olhos um tempo difícil. As notícias nos dizem, sentimos na própria pele. Mas também vemos um tempo de esperança, de crescimento na fé e na fraternidade. Mas estamos VENDO esse tempo? 
O Evangelho deste IV Domingo da Quaresma (Jo 9, 1-41) é rico em detalhes, diálogos e merece uma atenta leitura e contemplação. Tantas palavras se repetem: cego, olhos, enxergar, ver... Mas além de todos esses detalhes essa passagem merece o nosso precioso tempo para VER um encontro transformador. Um cego de nascença, mendigo, que foi curado e pôde enxergar pela primeira vez o mundo, seus pais, os seus interlocutores e enfim distinguir o dia da noite. Ele enxergou Jesus e a nova visão da vida que só o Senhor pode dar! 
Ver e interpretar os sinais dos tempos é certamente uma tarefa necessária. É a arte do discernimento cristão: com os olhos de Deus ver, distinguir, escolher, decidir. Interpretar o tempo presente é um exercício de liberdade, de resistência às visões banais e alarmistas. Se não compreendemos ainda o que vivemos e a noite não nos permite enxergar a aurora de um novo dia, deixemos então que cada ação, cada palavra seja orientada pelo bem. Deixemos que nossos olhos sejam curados pela leitura do Evangelho. E então veremos Deus no meio de nós, em nós. Na verdade, muitos se perguntam: “Onde está Deus? Não o vejo, parece que não está aqui”. Deus está onde o deixamos entrar!
Sim, deixemos que Ele entre em nossa casa e que através dos nossos olhos Ele veja esse mundo com compaixão. Que nossos olhos curados por Ele falem de ESPERANÇA.

Três olhares sobre a Palavra
Ir. Ana Paula Ramalho, fsp (Reflexão)
Ir. Janine Boaventura, fsp (Desenho)
Ir. Rosa Ramalho, fsp (Poesia)

segunda-feira, 16 de março de 2020

Dom Fernando acolhe aspirantes à vida religiosa e ao sacerdócio na Catedral

O arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, recebeu na catedral metropolitana neste domingo (15/03) os novos aspirantes à vida religiosa e ao sacerdócio que darão início a sua formação no território da Arquidiocese. Mantendo a tradição, o arcebispo presidiu celebração eucarística marcando o início do ano letivo no Seminário Propedêutico, nas congregações religiosas e nos seminários de outras dioceses do Regional NE2 que estão localizadas dentro do território arquidiocesano.
 A missa foi concelebrada pelo cura da catedral, monsenhor Albérico Bezerra; pelo vigário episcopal para os Ministérios Ordenados e Vida Religiosa e Consagrada, padre Sandro Corazza; pelo reitor do Seminário Propedêutico, padre Josivan Sales; e pelo padre Chagas, formador dos Passionistas.
Cerca de 50 jovens vocacionados participaram da celebração, a convite da Comissão dos Ministérios Ordenados e Vida Consagrada (Cmovic) da Arquidiocese, que busca promover, despertar, cultivar, animar e acompanhar as vocações. No convite enviado aos jovens, como em Gênesis a Abrão, estava escrito: “Deixa tua terra, vai para a terra que eu te mostrar”. Estiveram presentes formadores, seminaristas e aspirantes das congregações Paulina, Salesiana, Franciscana, Beneditina, Passionista e outras.
Para Talita Ferraz, de 20 anos, que veio de Minas Gerais para iniciar sua formação em Recife na Congregação das Filhas de São Paulo, mais conhecida como Paulinas, a acolhida foi muito importante. “Eu me permiti viver a vocação, seguir o chamado, e sei que com Jesus à frente, tudo vai dar certo”, disse a aspirante. “Espero que mais jovens tenham essa graça”, completou.

De fato, muitos jovens estão descobrindo e abraçando suas vocações. Os seminários Propedêutico (Menor) e Nossa Senhora da Graça (Maior), da Arquidiocese de Olinda e Recife, têm hoje em formação 97 seminaristas. Outras dezenas de jovens seguem em formação nas congregações e institutos religiosos.
A caminhada dos futuros padres e religiosas é extensa: são nove anos para os meninos até a ordenação sacerdotal e cinco anos para as meninas até os primeiros votos – com formação estendida para elas de mais cinco anos até os votos perpétuos.
Segundo o padre Josivan Sales, reitor do Seminário Propedêutico da Arquidiocese, que está localizado na cidade de Igarassu, no litoral norte do estado, tão importante quanto uma formação séria para os jovens vocacionados é a oração dos fiéis católicos por sua perseverança, discernimento e entrega.  “Graças a Deus, nossa Arquidiocese tem recebido jovens comprometidos, que vivem sua vocação e se preparam com responsabilidade para o ministério, sabendo que a vida do sacerdote é servir como Jesus por onde for”, comentou o reitor.

Fonte: https://www.arquidioceseolindarecife.org/dom-fernando-acolhe-aspirantes-a-vida-religiosa-e-ao-sacerdocio-na-catedral/

segunda-feira, 9 de março de 2020

Acolhida das Aspirantes

No dia 05 de março de 2020, ingressaram na primeira etapa formativa das Filhas de são Paulo (Irmãs Paulinas) às jovens: Francisca Emanuely (Teresina/PI); Kamila Tarigo (Campo Bom/RS); Maria Flavia Damasceno (Mucambo/CE); Roseane Tenório (Brejinho/RN) e Talita Amaro (Volta Grande/MG). Provenientes dos diversos estados do Brasil, as aspirantes se colocaram a caminho para discernir, à luz da própria vocação, a vontade de Deus para suas vidas.
 Acompanhadas e sustentadas por Maria, Rainha dos Apóstolos e são Paulo apóstolos seguirão o caminho de descoberta vocacional na experiência diária da vida comunitária; espiritual e apostólica. No decorrer desse processo, gradualmente, irão assumindo a essência da vocação paulina: “Viver e comunicar ao mundo, Jesus Mestre Caminho, Verdade e Vida”. 
Acompanhamos vocês com as nossas orações. Um abençoado caminho à Vida Religiosa Paulina.


sexta-feira, 6 de março de 2020

II Domingo da Quaresma - Escutar o Filho Amado com todos os sentidos

ESCUTAI-O!
Com os olhos 
dos ouvidos abertos,
toca-se tudo de um modo diverso.
Sente-se o sabor
de cada palavra,
mel e fel, amor e profecia.
O perfume da ressurreição 
exala a partir de nós.

ESCUTAR O FILHO AMADO COM TODOS OS SENTIDOS

Nesta Segunda Semana da Quaresma subimos uma alta e linda montanha com Jesus, a ponto de querer permanecer lá diante de tamanha beleza e paz. Nós subimos como seus convidados especiais e descemos como seus amigos íntimos, levando dentro de nós o segredo da nossa esperança. E naquele lugar com gosto de Céu, somos surpreendidos com uma Presença luminosa e um convite simples e ao mesmo tempo desafiador para os nossos tempos: ESCUTAR. A voz do Pai gentilmente nos convida à escuta que vai além dos ouvidos. É SENTIR o perfume de esperança, TOCAR o seu Amor concreto, VER sua Presença nesse instante, SABOREAR e nutrir-se de sua Palavra.
O Evangelho deste Domingo (Mt 17, 1-9) nos convida a escutar com todo o nosso ser o Filho Amado, mas também nos interpela a aprender com Ele a sermos atentos à Divina Voz, que nos fala na Palavra, no sacrário da nossa consciência, em todos acontecimentos, na alegria e na dor. Pedro subiu com Jesus e queria permanecer na montanha. E quem de nós já não quis parar o tempo para eternizar uma alegria ou estancar um sofrimento e construir uma casa estável junto de quem se ama e viver à sombra desse Amor sem a dor e a finitude?
Porém, não podemos voltar ou adiantar o relógio, mas em todas as situações que nos tiram o chão podemos perceber os passos do Filho Amado que se aproxima de nós, que nos toca com suavidade e força e nos diz: "LEVANTEM-SE, NÃO TENHAM MEDO" (Mt 17, 7).
Sim, essas são as palavras do Filho que o Pai nos convida a escutar hoje. A Cruz é inevitável nas descidas e planícies dessa vida, mas se prestarmos atenção, podemos ESCUTAR a presença do Senhor em cada momento e já sentir o perfume da Manhã da Ressurreição.
Para viver bem este tempo quaresmal:
Um exercício simples e muito eficaz de oração é a repetição de uma palavra ou frase da Palavra de Deus. Sugerimos para esta semana a repetição interior (em modo pessoal) das palavras de Jesus no Evangelho deste Domingo: "LEVANTE-SE (seu nome), NÃO TENHA MEDO" (cfr. Mt 17, 7).

Ir. Ana Paula Ramalho, fsp (Reflexão)
Ir. Janine Boaventura, fsp (Desenho)
Ir. Rosa Ramalho, fsp (Poesia)
Três olhares sobre a Palavra

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Uma vida bordada de sonhos

Nas terras do Piemonte, em Catagnito D’Alba, Itália, numa família de agricultores, marcada por um forte testemunho cristão, nasce a grande e pequena Teresa. Uma menina com um coração largo, apaixonado, universal.
Desde sua infância, Teresa foi cultivando dentro de si o desejo de ser religiosa, mas o seu pedido às Irmãs do Cotolengo não foi aceito, dizia-se que ela tinha uma saúde muito frágil. Um não, às vezes pode nos desanimar, mas quando somos firmes e corajosos, o transformamos em um grande trampolim para mais alto alcançar. O seu segredo estava também na oração, onde encontramos ‘a luz, a força e a coragem necessárias para o exercício de nossa missão’. Teresa empenha-se em um novo projeto, dedica-se à arte de bordar e costurar. Borda no mais belo tecido, de simples e firme linhagem, com cor vibrante! Ela borda em sua própria vida, os sonhos que emanam de um jovem coração pulsante.Em sua oficina de costura e bordado, Teresa oferece também às outras jovens, a riqueza dos valores cristãos. Com seu viver alegre, sereno e entusiasta, transmite para elas a beleza da vida em Deus.
Um dia, por intermédio de seu irmão Constâncio, Teresa é convidada para um encontro, onde o Padre Alberione a chama para uma ousada missão: consagrar-se a Deus e dedicar-se ao apostolado da imprensa, onde mais tarde ela diz ‘Queria ter mil vidas para dedicá-las a esse nobre apostolado’. 
Ali, na Igreja de São Cosme e Damião, é reavivado dentro dela aquele desejo de consagrar toda a sua vida a Deus, Teresa plena de gratidão diz SIM! E neste SIM, nascem as Filhas de São Paulo, nasce uma grande obra, a Família Paulina.
Irmã Tecla, a Primeira Mestra como carinhosamente é chamada por nós, suas filhas, tinha um olhar que ia longe, e num vasto horizonte já nos contemplava, via as novas gerações das Filhas de São Paulo. Jovens mulheres, apaixonadas por Deus e por cada ser por ele criado, as mulheres e os homens do novo tempo, do hoje, do agora, sedentos da verdade que somente no Mestre Jesus se pode encontrar.
Você que lê, junte-se a nós! Como a jovem Teresa, emprestemos também ‘os nossos pés ao Evangelho, para que a Boa Nova de Deus corra veloz e chegue assim a todos as pessoas’. Não tenhamos medo dos desafios presentes no seguimento a Jesus, abracemos com esperança e paixão, o hoje e o amanhã da nossa história, é o próprio Deus que nos chama. Vocação eu digo Sim!

Janine Boaventura, fsp


segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

Curso de Preparação à Profissão Perpétua


Jovens paulinas de diversas nações se reúnem na Itália para dar início ao curso de Preparação à Profissão Perpétua.

“Línguas diferentes, mesmos sentimentos fazendo de nós um só”.

No dia 01 de Fevereiro de 2020 iniciou-se em Tor San Lorenzo, Itália, o curso de preparação à profissão perpétua das Filhas de São Paulo (Irmãs Paulinas). São dezoito jovens vindas de oito nações e preparam-se para o Eis-me aqui, Senhor definitivo. Será um percurso de cinco meses, tempo de mergulhar no legado profético e missionário do fundador, pe. Tiago Alberione.

A preparação à profissão perpétua será também a vivência de um processo intercultural, pois possibilitará o contato com as diversas ações carismáticas realizadas em cada lugar de missão. A missa de abertura contou com a presença da superiora geral, Sr. Anna Caiazza e seu conselho e foi presidida pelo padre paulino, Boguslaw Zeman, SSP. As palavras de abertura foram cheias de fé, entusiasmo e convite para adentrar na beleza do mistério da vida consagrada paulina. 
O principal incentivo veio do Evangelho do dia, “Passemos para a outra margem” (Mc 4, 35), é o convite de Jesus para dar mais um passo na caminhada e principalmente fortificar a certeza da sua presença na vida de cada uma. A superiora geral deixou o seu recado para o grupo, a partir da motivação de (Jo 15, 16) “Não fostes vós que me escolhestes; ao contrário, Eu vos escolhi”. Um apelo para sentir o chamado do Senhor e perceber o seu grande amor.
“Recomendamos-nos as orações de todos os irmãos e irmãs, para que esse tempo seja fecundo, repleto de esperança, fé e entusiasmo profético e missionário”.

Gizely Mendes Pinheiro, fsp (Em preparação à profissão perpétua – Itália)

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

São Paulo, apóstolo de Jesus

Palma il Giovane - Museo del Prado  
Conhecer Paulo é poder fazer a contemplação da ação de Deus em nossa vida, é perceber a presença de um Deus que age por amor e com uma misericórdia infinita.
Paulo, nasceu em Tarso, na região da Cilicia, Ásia Menor, atual Turquia. Apesar de ter nascido em Tarso, ele foi criado em Jerusalém e veio de uma família judaica. São Paulo teve boa formação cultural e religiosa, foi um grande conhecedor da Sagrada Escritura e um fiel observador das leis. Quanto à profissão, era fabricante de tendas, profissão do pai.
Paulo era cidadão romano, o que na época lhe dava alguns direitos como a participação da assembleia do povo, onde se decidiam a respeito da organização da cidade. Muito respeitado, agia sempre segundo as leis prescritas.
Ele só não sabia que em pouco tempo sua vida mudaria totalmente. A entrada de Jesus na vida de Paulo o marcou profundamente. Foi na estrada de Damasco que ele teve a maior experiência da sua vida (At 9, 1-19). A partir daquele momento ele jamais seria o mesmo. A sua missão está enraizada na experiência feita no caminho de Damasco. Foi o encontro com Jesus que o fez mudar radicalmente. Jesus o conquistou para sempre. Mais tarde, ele dirá: “Para mim o viver é Cristo” (Fl 1,21).
Foi preciso Paulo fazer a experiência da escuridão, ficando cego por três dias numa total incerteza do seu destino para poder entregar-se nas mãos de quem o chamou. Nem tudo Paulo entende, o mistério é grande demais...
Deus tem um projeto, Paulo vai descobrindo aos poucos. Entre erros e acertos, ele segue firme, caminha com coragem, persiste até o fim.
Em sua noite escura aparece Ananias, enviado por Deus, que o ajuda a libertar-se da cegueira, o acolhe na comunidade, o faz sentir-se irmão e revela a Paulo a vontade de Deus sobre ele: “Esse homem é um instrumento que eu escolhi para anunciar o meu nome aos pagãos, aos reis e ao povo de Israel” (At 9, 15).
Paulo terá dificuldades, irá sofrer por ter aceitado o projeto de Deus para ele. No entanto, ele jamais esquecerá da experiência feita na estrada de Damasco, essa lembrança irá dar-lhe forças e o fará superar todos os desafios.
Paulo faz a experiência do amor de Deus por ele, e tudo o que ele fizer será para agradecer por esse amor que Deus o fez experimentar. Por isso, trabalha com coragem, não mede sacrifícios, age com convicção e sobretudo com amor: “O amor de Cristo nos impulsiona” (2Cor 5,14). Por onde passa forma comunidades, as anima, fortalece e consola. Quando está longe as acompanha por meio de suas cartas. Paulo sente-se obrigado a levar o Evangelho a todos, sem distinção: “Ai de mim se eu não anunciar o Evangelho” (1 Cor 9, 16).
No seu caminho, Paulo também terá grandes alegrias. Ele se sentirá feliz por responder com fidelidade ao chamado de Jesus. No fim de sua vida ele afirma: “Combati o bom combate, terminei minha carreira, conservei a fé” (2 Tm 4,7).
Hoje Deus continua chamando e por meio de todos os que são chamados, revela o seu amor e fidelidade ao seu povo. 

Ir. Maria Goretti, fsp.