quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

“Servir ao Senhor com alegria!” Tríduo Vocacional em Boa Vista do Ramos – AM

Equipe Missionária

Nos dias 6, 7 e 8 deste mês aconteceu em Boa Vista do Ramos – AM, o tríduo vocacional em preparação à Ordenação Sacerdotal do Diácono Jânio M. de Negreiros, natural desta terra, pertencente a Diocese de Parintins.
            No decorrer destes três dias vocacionais, após a celebração eucarística nos reunimos com as crianças e os coroinhas, com as famílias e com os jovens da Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Boa Vista do Ramos.
Encontro com as crianças da comunidade
            Foram dias vivenciados com alegria e gratidão pelo dom da vocação celebrado junto com as comunidades da cidade.
            Viajando um dia inteiro para chegar à cidade, nas águas do Rio Amazonas dois sentimentos foram constantes: gratidão pela vocação, de modo particular pela vocação paulina, e de ter a graça de poder vivenciar essa rica experiência junto ao povo da Amazônia.
Encontro com a comunidade
            “Servir ao Senhor com alegria” foi o lema que Jânio escolheu para sua vida sacerdotal. Dom Giuliano, bispo de Parintins, na homilia ressaltava: “nós iremos cuidar de você, para vermos se realmente você está alegre como diz o seu lema sacerdotal.” Ou seja, é dever de todos nós, batizados, nos alegrarmos sempre no Senhor, e sermos portadores dessa alegria maior que nos faz irmãos. E essa alegria nasce da experiência cotidiana com o Mestre, enraizados Nele, em Sua escola de Amor.
Ordenação Sacerdotal
            “Alegrai-vos sempre nos Senhor”, nos recorda São Paulo Apóstolo, mesmo em meio a tantas tribulações e sofrimentos. A alegria do Senhor é nossa força!


           Ir. Sabrina Mosena, fsp 

Mensagem de Natal para você!


quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Se queres, vem e segue-me. Ir. Elivânia respondeu ao convite de Jesus. #TempodeGraça

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

A VOCACIONADA PAULINA

Vocacionadas Paulinas
Com alegria e gratidão a Deus, nós, Irmãs Paulinas, acolhemos em nossa comunidade de Belo Horizonte-MG, jovens mineiras que participaram e conviveram conosco durante o fim de semana dos dias 24 á 26 de novembro, com o objetivo de ajudá-las no processo de discernimento vocacional e o projeto de Deus em suas vidas.
A convivência vocacional é um tempo de oração, encontro, partilha de vida, diálogo e escuta da vontade de Deus á luz da sua Palavra, possibilita o confronto para escolher o caminho que leva a jovem a ser feliz! Para esta experiência tivemos como tema: Vocação acertada, vida feliz! A vocacionada Paulina.
 Sabemos que o sonho de Deus é que sejamos felizes em nossa opção de vida.
Confira o testemunho das jovens vocacionada paulinas:
Ser vocacionada paulina é viver uma experiência de cada vez. É sempre estar aprendendo algo novo sobre o carisma paulino e sobre mim mesma.
Larissa Rainha (Belo Horizonte - MG)
Ser vocacionada paulina é viver o amor de Deus e cada experiência aprender coisas novas e fortalecer o espírito de fé, esperança e caridade.
Thayllane Martins (Coronel Fabriciano - MG)
Posso dizer que está última experiência na convivência com as Irmãs Paulinas foi definitiva na minha decisão. A partilha em família e a prática do carisma paulino possibilitaram o encontro comigo mesma e me fez livre!
Taiane Aparecida (Corinto - MG)
Ser vocacionada paulina é estar em constante aprendizado. Conhecer-me e conhecer essa missão de anunciar o Evangelho com a vida e os meios de comunicação.
Samara Maria (Porteirinha - MG)
Ser vocacionada Paulina é cultivar com alegria o amor em todos os corações e anunciar o Evangelho a todos por meio da comunicação.
Raphaela Andrade ( Contagem-MG)
Raphaela Andrade Contagem - MG)
Ser vocacionada paulina e sentir-se amada por um Deus tão misericordioso que se preciso fosse traçaria reinos por causa de nós.  O meu coração está em festa, pois acolho a vontade de meu Pai.
Heide Carolina (Rio Piracicaba - MG)

Ir. Silvânia Freire, fsp, Belo Horizonte, novembro de 2017.

domingo, 19 de novembro de 2017

MENSAGEM DO SANTO PADRE FRANCISCO PARA O I DIA MUNDIAL DOS POBRES

XXXIII DOMINGO DO TEMPO COMUM
(19 DE NOVEMBRO DE 2017)

«Não amemos com palavras, mas com obras»

1. «Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a boca, mas com obras e com verdade» (1 Jo 3, 18). Estas palavras do apóstolo João exprimem um imperativo de que nenhum cristão pode prescindir. A importância do mandamento de Jesus, transmitido pelo «discípulo amado» até aos nossos dias, aparece ainda mais acentuada ao contrapor as palavras vazias, que frequentemente se encontram na nossa boca, às obras concretas, as únicas capazes de medir verdadeiramente o que valemos. O amor não admite álibis: quem pretende amar como Jesus amou, deve assumir o seu exemplo, sobretudo quando somos chamados a amar os pobres. Aliás, é bem conhecida a forma de amar do Filho de Deus, e João recorda-a com clareza. Assenta sobre duas colunas mestras: o primeiro a amar foi Deus (cf. 1 Jo 4, 10.19); e amou dando-Se totalmente, incluindo a própria vida (cf. 1 Jo 3, 16).Um amor assim não pode ficar sem resposta. Apesar de ser dado de maneira unilateral, isto é, sem pedir nada em troca, ele abrasa de tal forma o coração, que toda e qualquer pessoa se sente levada a retribuí-lo não obstante as suas limitações e pecados. Isto é possível, se a graça de Deus, a sua caridade misericordiosa, for acolhida no nosso coração a pontos de mover a nossa vontade e os nossos afetos para o amor ao próprio Deus e ao próximo. Deste modo a misericórdia, que brota por assim dizer do coração da Trindade, pode chegar a pôr em movimento a nossa vida e gerar compaixão e obras de misericórdia em prol dos irmãos e irmãs que se encontram em necessidade.
2. «Quando um pobre invoca o Senhor, Ele atende-o» (Sl 34/33, 7). A Igreja compreendeu, desde sempre, a importância de tal invocação. Possuímos um grande testemunho já nas primeiras páginas do Atos dos Apóstolos, quando Pedro pede para se escolher sete homens «cheios do Espírito e de sabedoria» (6, 3), que assumam o serviço de assistência aos pobres. Este é, sem dúvida, um dos primeiros sinais com que a comunidade cristã se apresentou no palco do mundo: o serviço aos mais pobres. Tudo isto foi possível, por ela ter compreendido que a vida dos discípulos de Jesus se devia exprimir numa fraternidade e numa solidariedade tais, que correspondesse ao ensinamento principal do Mestre que tinha proclamado os pobres bem-aventurados e herdeiros do Reino dos céus (cf. Mt 5, 3).
«Vendiam terras e outros bens e distribuíam o dinheiro por todos, de acordo com as necessidades de cada um» (At 2, 45). Esta frase mostra, com clareza, como estava viva nos primeiros cristãos tal preocupação. O evangelista Lucas – o autor sagrado que deu mais espaço à misericórdia do que qualquer outro – não está a fazer retórica, quando descreve a prática da partilha na primeira comunidade. Antes pelo contrário, com a sua narração, pretende falar aos fiéis de todas as gerações (e, por conseguinte, também à nossa), procurando sustentá-los no seu testemunho e incentivá-los à ação concreta a favor dos mais necessitados. E o mesmo ensinamento é dado, com igual convicção, pelo apóstolo Tiago, usando expressões fortes e incisivas na sua Carta: «Ouvi, meus amados irmãos: porventura não escolheu Deus os pobres segundo o mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que O amam? Mas vós desonrais o pobre. Porventura não são os ricos que vos oprimem e vos arrastam aos tribunais? (…) De que aproveita, irmãos, que alguém diga que tem fé, se não tiver obras de fé? Acaso essa fé poderá salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e precisarem de alimento quotidiano, e um de vós lhes disser: “Ide em paz, tratai de vos aquecer e matar a fome”, mas não lhes dais o que é necessário ao corpo, de que lhes aproveitará? Assim também a fé: se ela não tiver obras, está completamente morta» (2, 5-6.14-17).
3. Contudo, houve momentos em que os cristãos não escutaram profundamente este apelo, deixando-se contagiar pela mentalidade mundana. Mas o Espírito Santo não deixou de os chamar a manterem o olhar fixo no essencial. Com efeito, fez surgir homens e mulheres que, de vários modos, ofereceram a sua vida ao serviço dos pobres. Nestes dois mil anos, quantas páginas de história foram escritas por cristãos que, com toda a simplicidade e humildade, serviram os seus irmãos mais pobres, animados por uma generosa fantasia da caridade!
Dentre todos, destaca-se o exemplo de Francisco de Assis, que foi seguido por tantos outros homens e mulheres santos, ao longo dos séculos. Não se contentou com abraçar e dar esmola aos leprosos, mas decidiu ir a Gúbio para estar junto com eles. Ele mesmo identificou neste encontro a viragem da sua conversão: «Quando estava nos meus pecados, parecia-me deveras insuportável ver os leprosos. E o próprio Senhor levou-me para o meio deles e usei de misericórdia para com eles. E, ao afastar-me deles, aquilo que antes me parecia amargo converteu-se para mim em doçura da alma e do corpo» (Test 1-3: FF 110). Este testemunho mostra a força transformadora da caridade e o estilo de vida dos cristãos.
Não pensemos nos pobres apenas como destinatários duma boa obra de voluntariado, que se pratica uma vez por semana, ou, menos ainda, de gestos improvisados de boa vontade para pôr a consciência em paz. Estas experiências, embora válidas e úteis a fim de sensibilizar para as necessidades de tantos irmãos e para as injustiças que frequentemente são a sua causa, deveriam abrir a um verdadeiro encontro com os pobres e dar lugar a uma partilha que se torne estilo de vida. Na verdade, a oração, o caminho do discipulado e a conversão encontram, na caridade que se torna partilha, a prova da sua autenticidade evangélica. E deste modo de viver derivam alegria e serenidade de espírito, porque se toca com as mãos a carne de Cristo. Se realmente queremos encontrar Cristo, é preciso que toquemos o seu corpo no corpo chagado dos pobres, como resposta à comunhão sacramental recebida na Eucaristia. O Corpo de Cristo, partido na sagrada liturgia, deixa-se encontrar pela caridade partilhada no rosto e na pessoa dos irmãos e irmãs mais frágeis. Continuam a ressoar de grande atualidade estas palavras do santo bispo Crisóstomo: «Queres honrar o corpo de Cristo? Não permitas que seja desprezado nos seus membros, isto é, nos pobres que não têm que vestir, nem O honres aqui no tempo com vestes de seda, enquanto lá fora O abandonas ao frio e à nudez» (Hom. in Matthaeum, 50, 3: PG 58).
Portanto somos chamados a estender a mão aos pobres, a encontrá-los, fixá-los nos olhos, abraçá-los, para lhes fazer sentir o calor do amor que rompe o círculo da solidão. A sua mão estendida para nós é também um convite a sairmos das nossas certezas e comodidades e a reconhecermos o valor que a pobreza encerra em si mesma.
4. Não esqueçamos que, para os discípulos de Cristo, a pobreza é, antes de mais, uma vocação a seguir Jesus pobre. É um caminho atrás d’Ele e com Ele: um caminho que conduz à bem-aventurança do Reino dos céus (cf. Mt 5, 3; Lc 6, 20). Pobreza significa um coração humilde, que sabe acolher a sua condição de criatura limitada e pecadora, vencendo a tentação de omnipotência que cria em nós a ilusão de ser imortal. A pobreza é uma atitude do coração que impede de conceber como objetivo de vida e condição para a felicidade o dinheiro, a carreira e o luxo. Mais, é a pobreza que cria as condições para assumir livremente as responsabilidades pessoais e sociais, não obstante as próprias limitações, confiando na proximidade de Deus e vivendo apoiados pela sua graça. Assim entendida, a pobreza é o metro que permite avaliar o uso correto dos bens materiais e também viver de modo não egoísta nem possessivo os laços e os afetos (cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 25-45).
Assumamos, pois, o exemplo de São Francisco, testemunha da pobreza genuína. Ele, precisamente por ter os olhos fixos em Cristo, soube reconhecê-Lo e servi-Lo nos pobres. Por conseguinte, se desejamos dar o nosso contributo eficaz para a mudança da história, gerando verdadeiro desenvolvimento, é necessário escutar o grito dos pobres e comprometermo-nos a erguê-los do seu estado de marginalização. Ao mesmo tempo recordo, aos pobres que vivem nas nossas cidades e nas nossas comunidades, para não perderem o sentido da pobreza evangélica que trazem impresso na sua vida.
5. Conhecemos a grande dificuldade que há, no mundo contemporâneo, de poder identificar claramente a pobreza. E todavia esta interpela-nos todos os dias com os seus inúmeros rostos marcados pelo sofrimento, pela marginalização, pela opressão, pela violência, pelas torturas e a prisão, pela guerra, pela privação da liberdade e da dignidade, pela ignorância e pelo analfabetismo, pela emergência sanitária e pela falta de trabalho, pelo tráfico de pessoas e pela escravidão, pelo exílio e a miséria, pela migração forçada. A pobreza tem o rosto de mulheres, homens e crianças explorados para vis interesses, espezinhados pelas lógicas perversas do poder e do dinheiro. Como é impiedoso e nunca completo o elenco que se é constrangido a elaborar à vista da pobreza, fruto da injustiça social, da miséria moral, da avidez de poucos e da indiferença generalizada!
Infelizmente, nos nossos dias, enquanto sobressai cada vez mais a riqueza descarada que se acumula nas mãos de poucos privilegiados, frequentemente acompanhada pela ilegalidade e a exploração ofensiva da dignidade humana, causa escândalo a extensão da pobreza a grandes sectores da sociedade no mundo inteiro. Perante este cenário, não se pode permanecer inerte e, menos ainda, resignado. À pobreza que inibe o espírito de iniciativa de tantos jovens, impedindo-os de encontrar um trabalho, à pobreza que anestesia o sentido de responsabilidade, induzindo a preferir a abdicação e a busca de favoritismos, à pobreza que envenena os poços da participação e restringe os espaços do profissionalismo, humilhando assim o mérito de quem trabalha e produz: a tudo isso é preciso responder com uma nova visão da vida e da sociedade.
Todos estes pobres – como gostava de dizer o Beato Paulo VI – pertencem à Igreja por «direito evangélico» (Discurso de aberturana II Sessão do Concílio Ecuménico Vaticano II, 29/IX/1963) e obrigam à opção fundamental por eles. Por isso, benditas as mãos que se abrem para acolher os pobres e socorrê-los: são mãos que levam esperança. Benditas as mãos que superam toda a barreira de cultura, religião e nacionalidade, derramando óleo de consolação nas chagas da humanidade. Benditas as mãos que se abrem sem pedir nada em troca, sem «se» nem «mas», nem «talvez»: são mãos que fazem descer sobre os irmãos a bênção de Deus.
6. No termo do Jubileu da Misericórdia, quis oferecer à Igreja o Dia Mundial dos Pobres, para que as comunidades cristãs se tornem, em todo o mundo, cada vez mais e melhor sinal concreto da caridade de Cristo pelos últimos e os mais carenciados. Quero que, aos outros Dias Mundiais instituídos pelos meus Predecessores e sendo já tradição na vida das nossas comunidades, se acrescente este, que completa o conjunto de tais Dias com um elemento requintadamente evangélico, isto é, a predileção de Jesus pelos pobres.
Convido a Igreja inteira e os homens e mulheres de boa vontade a fixar o olhar, neste dia, em todos aqueles que estendem as suas mãos invocando ajuda e pedindo a nossa solidariedade. São nossos irmãos e irmãs, criados e amados pelo único Pai celeste. Este Dia pretende estimular, em primeiro lugar, os crentes, para que reajam à cultura do descarte e do desperdício, assumindo a cultura do encontro. Ao mesmo tempo, o convite é dirigido a todos, independentemente da sua pertença religiosa, para que se abram à partilha com os pobres em todas as formas de solidariedade, como sinal concreto de fraternidade. Deus criou o céu e a terra para todos; foram os homens que, infelizmente, ergueram fronteiras, muros e recintos, traindo o dom originário destinado à humanidade sem qualquer exclusão.
7. Desejo que, na semana anterior ao Dia Mundial dos Pobres – que este ano será no dia 19 de novembro, XXXIII domingo do Tempo Comum –, as comunidades cristãs se empenhem na criação de muitos momentos de encontro e amizade, de solidariedade e ajuda concreta. Poderão ainda convidar os pobres e os voluntários para participarem, juntos, na Eucaristia deste domingo, de modo que, no domingo seguinte, a celebração da Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo resulte ainda mais autêntica. Na verdade, a realeza de Cristo aparece em todo o seu significado precisamente no Gólgota, quando o Inocente, pregado na cruz, pobre, nu e privado de tudo, encarna e revela a plenitude do amor de Deus. O seu completo abandono ao Pai, ao mesmo tempo que exprime a sua pobreza total, torna evidente a força deste Amor, que O ressuscita para uma vida nova no dia de Páscoa.
Neste domingo, se viverem no nosso bairro pobres que buscam proteção e ajuda, aproximemo-nos deles: será um momento propício para encontrar o Deus que buscamos. Como ensina a Sagrada Escritura (cf. Gn 18, 3-5; Heb 13, 2), acolhamo-los como hóspedes privilegiados à nossa mesa; poderão ser mestres, que nos ajudam a viver de maneira mais coerente a fé. Com a sua confiança e a disponibilidade para aceitar ajuda, mostram-nos, de forma sóbria e muitas vezes feliz, como é decisivo vivermos do essencial e abandonarmo-nos à providência do Pai.
8. Na base das múltiplas iniciativas concretas que se poderão realizar neste Dia, esteja sempre a oração. Não esqueçamos que o Pai Nosso é a oração dos pobres. De facto, o pedido do pão exprime o abandono a Deus nas necessidades primárias da nossa vida. Tudo o que Jesus nos ensinou com esta oração exprime e recolhe o grito de quem sofre pela precariedade da existência e a falta do necessário. Aos discípulos que Lhe pediam para os ensinar a rezar, Jesus respondeu com as palavras dos pobres que se dirigem ao único Pai, em quem todos se reconhecem como irmãos. O Pai Nosso é uma oração que se exprime no plural: o pão que se pede é «nosso», e isto implica partilha, comparticipação e responsabilidade comum. Nesta oração, todos reconhecemos a exigência de superar qualquer forma de egoísmo, para termos acesso à alegria do acolhimento recíproco.
9. Aos irmãos bispos, aos sacerdotes, aos diáconos – que, por vocação, têm a missão de apoiar os pobres –, às pessoas consagradas, às associações, aos movimentos e ao vasto mundo do voluntariado, peço que se comprometam para que, com este Dia Mundial dos Pobres, se instaure uma tradição que seja contribuição concreta para a evangelização no mundo contemporâneo.
Que este novo Dia Mundial se torne, pois, um forte apelo à nossa consciência crente, para ficarmos cada vez mais convictos de que partilhar com os pobres permite-nos compreender o Evangelho na sua verdade mais profunda. Os pobres não são um problema: são um recurso de que lançar mão para acolher e viver a essência do Evangelho.

Vaticano, Memória de Santo António de Lisboa, 13 de junho de 2017.
Franciscus

terça-feira, 14 de novembro de 2017

“Um chamado, um projeto, uma grande realização”

Com alegria, as irmãs da comunidade do Recife, receberam nos dias 11 e 12 seis jovens para última convivência vocacional deste ano. Foram elas: Gabriella Almeida, Luana Silva, Mariane Silva, Roberta Ximenes, Roseane Tenório e Karina Silva.
Ir. Sebastiana e jovens vocacionadas
O encontro proporcionou as jovens a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a vida do Fundador da Congregação das Irmãs Paulinas, Pe. Tiago Alberione, de maneira especial seu chamado vocacional que o impulsionou a “preparar-se para fazer alguma coisa pelas pessoas e pela Igreja do novo século”.
Durante o encontro as jovens também visitaram a livraria Paulinas, centro de evangelização, lugar especial, considerado verdadeira Igreja no qual se anuncia por meio dos livros, Cds, Dvds, cartazes, da vida das irmãs e dos colaboradores a mensagem da Palavra Sagrada.
Jovens vocacionadas na Paulinas Livraria de Recife
Dois dias intensos permeados de momentos oração: adoração ao Santíssimo Sacramento, momento de Vigília, oração do terço, retiro no qual as jovens foram convidadas a no silêncio perscrutar o que o próprio Senhor lhes comunicou no decorrer do encontro.
Comunidade paulina e jovens vocacionadas
A convivência se encerrou com a celebração da Santa Missa presidida pelo reitor do seminário maior da Diocese de Afogados, Pe. Airon de Lima e com a presença da família de algumas jovens.
Ir. Mery e jovens vocaciondas
“Para mim, cada encontro de convivência vocacional é um momento de graça e de alegria, pois, são momentos nos quais nossa comunidade recebe as jovens e com elas partilham a vida, a missão e o carisma paulino. Nosso desejo é, com a graça de Deus, ser um instrumento para ajudá-las a discernir a sua vocação”, testemunha Ir. Mery Sousa – Animadora vocacional da comunidade de Recife-PE.

Ir. Mery Elisabeth Sousa, fsp

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

“Por uma Igreja em saída”

Semana Missionária – Paróquia Nossa Senhora da Conceição (Maués)
            Nos dias 21 a 30 de outubro tive a graça de participar, junto com o COMISE (Comissão Missionária dos Seminaristas) da Arquidiocese de Manaus, com mais 40 missionários, da semana missionária na Diocese de Parintins, Paróquia Nossa Senhora da Conceição na cidade de Maués.  
A Paróquia atualmente atende 14 setores: Urupadi, Parauarí, Pupunhal, Alto Maués Açu, Baixo Maués Açu, Paracuni, Urariá de baixo, Trindade, Maués Mirim, Alto Apocuitaua, Médio Apocuitaua, Lago Grande, Apocuitaua Mirim e Área Indígena. Em cada setor citado se abrange de 7 a 9 comunidades que formam esses setores.

Foram 24h navegando nesses imensos rios do Amazonas até a cidade de Maués. Lá, fomos divididos por setores nas comunidades: nós de Manaus mais os missionários das comunidades de Maués. Ao todo, éramos mais de 100 missionários. E com o envio de Dom Giuliano, Bispo da Diocese de Parintins, partimos rumo às nossas comunidades.
            Nosso grupo missionário foi enviado para o Setor Parauarí. Assim, viajamos no dia 22 do mês de outubro para nosso setor confiado. Partimos com destino à comunidade chamada São João. Lá permaneceram dois missionários. Prosseguindo mais 4h de viagem, chegamos na comunidade do Mucajá, onde ficaram mais dois missionários. Lá permanecemos para celebrarmos com a comunidade e para descansar da viagem.
            Logo que amanheceu o dia, partimos rumo à comunidade Vila Nova do Maringá e Acauera. Padre Luis, vigário Paroquial e Promotor Vocacional foi destinado à comunidade Acauera e nós para a Vila Nova do Maringá.
            Enfim, chegamos em nosso destino no dia 23 a tarde, a comunidade já nos aguardava ansiosamente e fomos recebidos com cantos e festejos. Essa comunidade há quase dois anos já não recebia mais visita da Paróquia de Maués devido às distâncias e a dificuldade de navegação e por isso com muita alegria fomos recebidos pela comunidade.
              Foram cinco dias vivenciados com muita alegria e fervor missionário. Juntamente com o seminarista Ivo, visitamos todas as famílias da Vila bem como as famílias que moram do outro lado do rio. Realizamos encontros com os jovens e com as crianças das escolas da Comunidade e todas as noites nos encontrávamos no salão da Comunidade para um momento de oração, de reflexão para encerrarmos nosso dia. Na quinta-feira à noite celebramos a Palavra com a Comunidade encerrando assim nossas atividades na Vila Nova do Maringá.
No dia seguinte, sexta-feira, partimos logo após o café da manhã para a comunidade do Juma. Lá, nos encontramos com os outros missionários e com as demais comunidades para a assembleia do Setor Parauarí. Foram dois dias de formações com as lideranças das comunidades, com os catequistas e com os grupos de jovens. À noite tivemos um momento cultural com apresentações locais e momento de animação e descontração.
            No sábado, dia 28, encerramos com a Celebração Eucarística nossa assembleia e com um grande almoço festivo oferecido pela comunidade local. Após o almoço, nos despedimos das comunidades e retornamos à Paróquia de Maués. Chegando a noite na Paróquia, fomos acolhidos com muita alegria e com um jantar festivo e atividades culturais.
               E no dia 29 partimos rumo à Manaus, chegando no dia 30 a tarde. E assim encerramos nossa Semana Missionária com muita alegria e dinamismo missionário, numa Igreja em Saída vivenciando a cultura do encontro.
           O que brota em meu coração é gratidão. Mais do que ensinar e dar formações às comunidades, nós fomos ensinados e enriquecidos pelo olhar, pelo sorriso, pelo abraço e pela acolhida de cada habitante da região.
            Rezemos por essas comunidades e por todos os jovens despertados, a fim de que prossigam no caminho de Jesus, e sejam sempre mais testemunhas do amor de Deus e canais de luz a iluminar as diversas realidades a eles confiadas.

Ir. Sabrina Mosena, fsp

            

domingo, 29 de outubro de 2017

Semana Vocacional em São José do Belmonte-PE

Dos dias 14 a 21 de outubro de 2017 a Irmã Fabíola Medeiros e as aspirantes Beatriz Cerqueira, Elisiane Andrade e Gabriele Eliziário (ambas residentes em Recife-PE) estiveram realizando uma Semana Vocacional na Paróquia São José do Beelmonte-PE.
Irmãs e comunidade
A Semana vocacional foi motivada pelo clima do mês missionário, que tem como tema a “alegria do Evangelho para uma Igreja em saída”.


Durante toda a semana a Ir. Fabíola e aspirantes desenvolveram atividades como: Visitas às escolas, às famílias dos idosos e doentes, Hospital, Cadeia, Abrigo de idosos, Secretaria de educação, e diversos encontros de formação para várias pastorais e movimentos da Paróquia.

Ainda durante a Semana tivemos a alegria de fazer uma Peregrinação ao Juazeiro do Norte-CE e conhecer os principais locais de Romaria, onde o povo nordestino daquela região cultiva uma grande fé e devoção ao Pe. Cícero Romão.
Ir. Fabíola e aspirantes
Agradecemos a Jesus Mestre por nos proporcionar uma semana tão rica de experiências, aos padres Claudivan e Wanderson Eduardo pelo convite de missão e a todos os paroquianos que nos acolheram com tanto amor durante aquela semana.




sábado, 28 de outubro de 2017

Ser missionária é... Ir. Eliane, fsp nos conta como vive a sua vocação missionária.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Ser missionária é... Entrevista com Ir. Cristiane, fsp

Iniciamos o mês Outubro com o pé e o coração na estrada, inspiradas no tema do mês missionário, A alegria do Evangelho para uma Igreja em saída”, nosso site bateu um papo bem legal com nossas irmãs a fim de conhecer as realidades onde estão inseridas desenvolvendo a missão paulina. A entrevistada de hoje é Irmã Cristiane Rodrigues, fsp, natural da Itaporanga-PB, atualmente realiza a missão paulina em Porto Velho - RO.
Ir. Cristiane na comunidade
 Site das Irmãs Paulinas: Ir. Cristiane, o que a motivou para ser uma Irmã Paulina?

Ir. Cristiane Rodrigues: Minha vocação nasceu da escuta da realidade do meu povo, de suas lutas, sofrimentos e buscas. Sou paraibana de nascimento e pernambucana de coração, e foi lá no interior de Pernambuco, fazendo parte do grupo jovem de minha paróquia, que senti o forte apelo de Deus de ajudar as pessoas a perceber que a vida é muito mais do que a luta por sobrevivência. Senti o desejo profundo de comunicar Deus às pessoas porque sentia que só Ele podia dar o verdadeiro sentido da vida.
Site das Irmãs Paulinas: Qual o personagem bíblico lhe inspira no caminho missionário?
Ir. Cristiane Rodrigues: Foi São Paulo Apóstolo que me levou a Jesus. Ainda muito jovem eu lia as cartas paulinas e, apesar de não entender muita coisa, sempre me fascinava o jeito de Paulo falar de Jesus. Mesmo enfrentando tantas dificuldades, ele se mantinha alegre, confiante, esperançoso.
Lembro que um dia eu me perguntava: de onde vem essa força que o faz continuar na missão, mesmo quando tudo vai contra? Aí Paulo me mostrou de onde vinha sua força, e foi por ele que eu conheci Jesus Cristo. Por isso, o personagem bíblico que me inspira no caminho missionário em todos os momentos, os alegres e os difíceis, é, com certeza, o Apóstolo Paulo.
Ir. Cristiane vistando as comunidades
Site das Irmãs paulinas: Como sente e vive o apelo do Papa Francisco de uma Igreja em saída,A alegria do Evangelho para uma Igreja em saída”?
Ir. Cristiane Rodrigues: Sinto que o Papa Francisco apenas busca recordar à Igreja que sua essência é ser missionária. Sinto-me em profunda comunhão com uma Igreja que se torna Boa Notícia, Evangelho vivo para a vida do povo, testemunhando a alegria de ser seguidora do Mestre Jesus. Por isso, busco, também eu, ser essa Boa Nova para meus irmãos e irmãos com quem convivo, encontro, trabalho.
Site das Irmãs paulinas: Qual a sua missão atualmente?
Ir. Cristiane Rodrigues: Estou vivendo e atuando na cidade de Porto Velho, Rondônia. E viver em terras amazônicas é estar em contínua missão. Aqui a gente vive realmente aquilo que o Apóstolo Paulo disse sobre sua missão: “Fiz-me tudo para todos”.
Atualmente, gerencio a Livraria Paulinas de Porto Velho, sou responsável pela Pastoral Vocacional, atuo junto às CEBs, PJ, Equipe de Campanha da Fraternidade da CNBB regional Noroeste, Reflexão bíblica da arquidiocese, além das assessorias nas mais diversas áreas.

Site das Irmãs Paulinas: Tem alguma história marcante que aconteceu nesse tempo de missão em Porto Velho que a senhora gostaria de compartilhar conosco?
Ir. Cristiane Rodrigues: Teve uma experiência bem interessante que gostaria de compartilhar. Na semana santa, fui, juntamente com a Pastoral da Juventude, numa missão junto aos povos ribeirinhos. O arcebispo Dom Roque Paloschi nos deu a bênção e nós pegamos um barco grande rumo aos nossos destinos de missão.
Quando se aproximava de um povoado, um pequeno barco se aproximava, e a equipe que iria ficar naquele povoado, passava para o barco pequeno e seguia viagem. Minha equipe e eu chegamos ao nosso destino, um povoado chamado Boa Vitória. Descemos do barco e só víamos mato e rio.
Andando mais um pouco, avistamos a pequena Igreja. Lá nós vivenciamos com o povo daquele lugar o tríduo pascal. E o que mais me emocionou foi ver, na madrugada do sábado, ainda muito escuro, tempo chuvoso, vindo lá de dentro dos matos, dos rios, de todos os cantos, luzes, velas, lanternas, o povo que não mediu esforços para celebrar junto, como Igreja, a paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.
A fé daquela gente simples, muitas vezes esquecidos por tudo e todos, foi para mim o mais forte testemunho da Ressurreição de Jesus Cristo. E eu pude dizer como Maria Madalena: “Sim, eu vi o Senhor, e Ele vive naquele povo!”.
Celebração com a comunidade
Mensagem vocacional
Ir. Cristiane Rodrigues: Eu creio que a vocação é iniciativa de Deus e que quando a gente dá espaço, se permite ouvir Deus que nos fala nas realidades que nos circunda, nos rostos que encontramos, nos acontecimentos que nos atingem, não há como não sentir seu forte apelo no coração.

O que digo para a juventude é que não tenha medo de olhar nos olhos das pessoas, de deixar que seus rostos revelem o rosto do Cristo que continua chamando e que não tem outros braços, mãos e voz, a não ser a nossa para servir ao irmão que sofre.

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Paulinos e Paulinas realizam missão vocacional em terras mineiras

De 11 a 13 de outubro, Paulinos e Paulinas realizaram trabalhos vocacionais na cidade de Estrela Dalva-MG. São eles: Pe. Claudinei José Batista, Pe. Roni Hernandes, Jaqueline Ferreira e Janine Boaventura.
Pe. Roni, noviças e membros da comunidade
No dia 12 de outubro, quinta-feira, solenidade de Nossa Senhora Aparecida, Pe. Claudinei e Pe. Roni presidiram missas nas comunidades São Bom Jesus, Divino Espírito Santo, Santo Antônio, e na paróquia Nossa Senhora da Conceição. Em cada uma delas, foram realizadas motivações vocacionais com a presença das noviças paulinas, Jaqueline e Janine.
Noviças e jovens da comunidade
No dia 13, sexta-feira, das 18h às 19h30min, foi realizado um encontro com alguns jovens de Estrela Dalva, na paróquia Nossa Senhora da Conceição. Os religiosos conversaram com os jovens sobre vocação e apresentaram o carisma da congregação. A conversa com os jovens foi muito descontraída e, com certeza, isso vai ajudá-los para que um dia possam encontrar motivos para seguir talvez, o caminho da vida religiosa. Em seguida, eles receberam mochilas vocacionais com orações, revistas, livros e folders.
Equipe missionária e comunidade
Como ninguém faz nada sozinho, a realização desse trabalho contou com a ajuda de muitas pessoas, dentre elas, Pe. Alessandro Tavares Alves, que abriu as portas de suas paróquias e comunidades para apresentarmos motivações vocacionais. Nosso agradecimento especial a Amanda Queiroz Brum Garcia, que acolheu as noviças paulinas em sua residência e preparou a alimentação para os religiosos. A Deusilene de Souza Alves dos Santos, que abrilhantou os nossos encontros e as missas com belíssimos cantos.
Jovem, não tenhas medo! A missão da Igreja precisa de pessoas que tenham coragem de comunicar aos irmãos e irmãs a alegria de viver em Jesus Mestre Caminho Verdade e Vida. Se você sentir no coração que também foi chamado (a) para atuar nesta missão de evangelizar com os meios de comunicação sociais, entre em contato conosco! Seguir Jesus é um projeto de Vida.

Pe. Roni Hernandes, ssp e Noviças Paulinas Jaqueline e Janine.

Irmãs Paulinas
(11) 99998 0323 WhatsApp
(11) 3043 8100

Padres e Irmãos Paulinos
(11) 94815 2933 WhatsApp

(11) 3789 4009

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Ser missionária é... Com Ir. Maria José, fsp.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Iniciamos o mês Outubro com o pé e o coração na estrada, inspiradas no tema do mês missionário, A alegria do Evangelho para uma Igreja em saída”, nosso site bateu um papo bem legal com nossas irmãs a fim de conhecer as realidades onde estão inseridas desenvolvendo a missão paulina.
A entrevistada de hoje é Irmã Edicleia Tonete, fsp, natural de Pitanga, diocese de Guarapuava - PR, atualmente realiza a missão paulina em Brasília - DF.
Ir. Edicleia Tonete, fsp
Site das Irmãs Paulinas: Ir. Edicleia, o que a motivou para ser uma Irmã Paulina?
Ir. Edicleia Tonete: Primeiramente o chamado, a vocação, o sentimento de que poderia fazer algo a mais, por Deus e pelas pessoas. Quando conheci a história de Tiago Alberione, fundador da Família Paulina, me identifiquei, quando ele, em adoração diante de Jesus na Eucaristia, sentiu seu coração arder por Jesus Cristo e pelas pessoas, ele percebeu a necessidade de “se preparar para fazer algo por Deus e pelas pessoas no novo século, com as quais viveria”.
Eu também senti o mesmo desejo, o mesmo convite, de também me preparar para comunicar Jesus Cristo às pessoas; e até hoje estou me preparando, pois nunca estamos prontos e ao mesmo tempo já comunico a alegria do Evangelho às pessoas que Deus coloca no meu caminho. Estar com o povo e comunicar a Palavra de Deus me motiva muito, é a minha alegria.
Ir. Edicleia com os catequistas
Site das Irmãs Paulinas: Qual o personagem bíblico lhe inspira no caminho missionário?
Ir. Edicleia Tonete: Gosto muito do Profeta Jeremias, me identifico com ele, com sua luta. Diante das dificuldades Jeremias às vezes quer desistir de comunicar a Palavra de Deus, mas quando ele percebe, está novamente pregando a Palavra, pois não tem como fugir. Uma vez que a Palavra de Deus perfura nosso coração e encharca nossa mente, não tem como deixar de falar, de testemunhar.
E claro, como Filha de São Paulo, me identifico muito com Paulo também. Sobretudo, por causa do seu amor por Jesus Cristo e pelas comunidades que ele fundou. Gosto de pensar que o processo de conversão de Paulo, se deu aos poucos, dia por dia, até que quando ele ficou velhinho, pode afirmar: “Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim”.  

Site das Irmãs paulinas: Como sente e vive o apelo do Papa Francisco de uma Igreja em saída,A alegria do Evangelho para uma Igreja em saída”?
Ir. Edicleia Tonete: O Papa Francisco, tem umas sacadas brilhantes. Ele lança um documento, que pede que sejamos “Uma Igreja em saída”, que prefere uma Igreja “acidentada”, mas na rua, do que uma Igreja fechada em si mesmo.
Procuro colocar em prática esse pedido, essa exortação do nosso querido Papa Francisco, mas também, os outros apelos que ele nos faz, de cuidarmos da “Casa comum”, com o documento Laudado Si.
Em 2015, proclamou o Ano Santo da Misericórdia, nos pedindo que abramos as portas da Igreja, mas também do nosso coração para acolhermos a todos. Ele nos pede que sejamos uma Igreja alegre, que comuniquemos Jesus Cristo, com alegria e não com cara de vinagre.
A própria vida e testemunho do Papa Francisco nos exorta a irmos ao encontro das pessoas, às “periferias existenciais”, mas devemos ir sempre com misericórdia e com alegria que vem do próprio Jesus Cristo, não ir como quem vai ensinar alguma coisa, e sim, como quem vai partilhar e aprender com todos.
Ir. Edicleia com as crianças
Site das Irmãs paulinas: Qual a sua missão atualmente?
Ir. Edicleia Tonete: Atualmente eu me dedico à formação dos Catequistas em Brasília, Goiás e região. É uma missão desafiante e muito bonita ao mesmo tempo. Sinto-me em profunda comunhão com a Igreja que nos pede para conhecermos e vivermos o projeto de “Iniciação à Vida Cristã”, que é para toda a Igreja, mas a catequese tem esse papel de suporte, nessa caminhada de seguimento de Jesus Cristo.
Está sendo uma oportunidade de encontrar as pessoas, lá onde elas estão, em suas comunidades, paróquias, casas e ouvir suas experiências, dificuldades, alegrias e também um espaço de aprofundamento, conhecimento e experiência com a Palavra de Deus, centro da catequese e da vida de todo cristão. Estou amando essa missão, pois sempre gostei muito de falar, explicar, entender e testemunhar a Palavra de Deus.
            Faço parte também, do Grupo Chamas, um grupo musical, formado por três irmãs paulinas, onde temos a missão de comunicar Jesus Cristo com a canção. Então, quando tem show, viajo também, pelo Brasil para cantar a Palavra de Deus. E quando não tem show, sou uma pequena chama, que deve brilhar aqui no cerrado. Nem sempre é fácil, manter a chama acessa, mas com a graça do Espírito Santo é possível.
Grupo Chamas
Site das Irmãs Paulinas: Tem alguma história marcante que aconteceu nesse tempo de missão em Brasília que a senhora gostaria de compartilhar conosco?

Ir. Edicleia Tonete: Tenho muitas experiências marcantes que já vivi aqui em Brasília. Uma delas, relato aqui. Como Filhas de São Paulo, comunicadora da Palavra, à serviço da vida, tenho sentido um apelo pessoal muito forte de ir ao encontro das pessoas que mais sofrem, sobretudo, com a situação política, social e econômica de nosso país. Então, quando posso, procuro me fazer presente em debates, encontros, oficinas e manifestações nas ruas, foi a maneira que encontrei de apoiar meu povo, de dizer “#tamujunto”. No dia, 26 de maio, houve uma grande manifestação no Brasil. O povo foi às ruas pedir Diretas Já! e lutar por seus direitos.
Ao sair da nossa livraria, que ficava no Setor Comercial Sul, caminhei em direção à Esplanada dos Ministérios. Quando fui me aproximando, meu coração pulava de alegria e de emoção, ao ver tanta gente na rua lutando por seus direitos. Nesse dia, vieram 800 ônibus de diversos Estados do Brasil, de Norte à Sul do País. Éramos quase 100 mil pessoas nas ruas. Era um mar de gente. Trabalhadores de diversos setores da sociedade lutando por seus direitos.
Nesse tempo em que vivemos em nosso país, percebo que não posso ficar dentro de casa. O Senhor me chama para estar nas ruas com meu povo, apoiando e lutando por seus direitos. “Sou de paz, mas se for pelo povo eu brigarei” ( Pe. Zezinho, scj).

Mensagem vocacional
            Viver para Deus e para o povo é desafiante, arriscado, mas vale apena. Se você sente seu coração arder por Jesus Cristo e sua Palavra, permita-se aventurar-se pelos caminhos do Reino.
Não diga não, quando a vontade é de Deus e sua também, diga sim. Qualquer opção de vida implica desafios, renúncias, dores e alegrias, mas o mais importante é ser feliz na vocação que o Senhor sonha para você.
Permita-se descobrir a sua vocação, peça ajuda de alguém para discernir o que Deus quer de você. E se a vontade de Deus, for que você seja uma irmã paulina, seja bem-vinda! Junte-se a nós! #Tamujunto! “A comunicação à serviço da vida.”
 
Ir. Edicleia com os crismandos