terça-feira, 29 de novembro de 2016

A vocação: Diálogo entre duas liberdades

            Partimos, então, dessa interpretação do conceito de vocação: a vocação é um diálogo entre duas liberdades, a de Deus e a do homem ou, mais exatamente, a de Deus que chama a liberdade do homem. O homem existe porque Deus o chama, e existe como ser livre justamente porque Deus o chama à existência com um ato soberanamente livre; Deus, de fato, chama quem ele quer, quando quer e como quer, “Por causa do seu plano salvífico e da sua graça” (2 Tm 1,9): escolhe e chama tanto Zaqueu como Mateus, não vai procurar os chamados entre os “bons” e os bem predispostos .
            Um Deus absolutamente livre no chamado cria ou torna totalmente livre o chamado, livre para dar-lhe resposta, torna-o responsável, literalmente “capaz de dar resposta”; não o amarra a si, não o obriga a amá-lo (veja o jovem rico e o próprio Judas); quando muito o coloca em condições de decidir o que fazer com o dom recebido, para ser livre, como o seu Criador, exatamente.
            Consequentemente, a vocação é no fundo um diálogo, um diálogo com características responsoriais, entre Deus e a pessoa humana, Deus dialogador sempre limitado e, no entanto, chamado a interagir com Deus. O primeiro protagonista da vocação é, portanto, Deus, que é indicado pela Bíblia como “aquele que chama” (Rm 11,9; cf. Gl 5, 8; 1Pd 1,15), desde sempre, como uma definição. A que Deus chama?
(Livro: Quando Deus chama, pag. 13 e 14 – Ed. Paulinas) 
Chamado à vida
            Deus, antes de tudo, é aquele que chama à vida. E esse chamado, de cara, manifesta algumas característica da sua vontade de salvação, mas também do chamado autêntico. Ele, de fato, chama alguém que não existe e não poderia, portanto, responder-lhe, mas Deus o chama justamente para dar-lhe essa possibilidade, e o faz existir, cria nele capacidade, escolhendo-o antes do seu nascimento (cf. Jr. 1,5; Gl 1,15).
            A iniciativa é toda divina e expressa a grandeza de um amor que é tão intenso que determina a existência do amado. É o amor no começo de tudo, e o amor de Deus precede a criação e a quer. Nós todos viemos à vida porque uma Vontade boa no amor antes mesmo que nós existíssemos. E isso é mistério!
            Amou-nos a ponto de fazer-nos desde cedo obedientes ao seu chamado: a nossa vinda ao mundo e à vida é ato de obediência ao chamado divino que nos quis existentes. Desse ponto de vista, a criação é imagem da vocação autentica, como mistério, grande, de graça. E amou-nos, ainda, com uma benevolência pessoal e única, chamando-nos pelo nome, dando-nos a vida e confiando-nos uma missão segundo um projeto pensado exatamente para cada um de nós (cf. Gn. 17,5; Is 45, 4; Jo 10, 3-28).
            O homem não é, por acaso, um projeto pensado por Deus e desenhado pelas suas mãos? Como bem disse Newman: “Eu fui criado para fazer ou para ser alguma coisa para a qual nenhum outro jamais foi criado. Pouco importa que seu seja rico ou pobre, desprezado ou estimado pelos homens. Deus me conhece e me chama pelo nome. De alguma forma, sou tão necessário em meu lugar, como um arcanjo em seu”.
(Livro: Quando Deus chama, pag. 14-16 – Ed. Paulinas)
  
Chamado à fé

            A partir do momento da nossa resposta ao chamado inicial de Deus Criador, a vida de cada um de nós foi com um contínuo suceder de chamados, pequenos e grandes, implícitos ou explícitos, logo reconhecíveis ou velados, mas sempre com o mesmo Sujeito que chama: aquele Deus pai e mãe que depois de nos haver dado a vida nos chama a vivê-la plenamente, no máximo das nossas possibilidades e mais além, segundo um desígnio que ele pensou.
            E mais uma vez a liberdade do homem é chamada a uma opção, no ato mais decisivo e misterioso de toda a vida: crer ou não crer em Deus! Aquele crer que hoje, em particular, significa adesão de todo o ser, crer-amar a Deus com tudo de si, com o coração e a com a mente, com as mãos e com os pés, com as forças, crer como confiar em Deus. [...]
            O chamado a fé articula-se, substancialmente, numa série de chamados posteriores dirigidos sempre à liberdade do homem em diálogo com Deus que chama.
(Livro: Quando Deus chama, pag. 20 e 21 – Ed. Paulinas)
Chamado na Igreja e no mundo

            Enfim, o chamado de vocês acontece num lugar preciso, que é ao mesmo tempo ponto de partida e de chegada do chamado, lugar do seu nascimento e destino final,  as suas raízes e o seu florescimento. Além dessa imagem, dizemos que a vocação de vocês nasce não num lugar abstrato e não está em função da perfeição pessoal de cada um, mas nasce na Igreja e no mundo e está a serviço da Igreja e do mundo. É perigoso esquecer isso. [...]
            Se, portanto, as raízes de vocês estão na Igreja e no mundo, a vida consagrada deve estar firmemente ancoradas nelas, e dar fruto em abundância para a santidade da Igreja e a salvação do mundo, amando sinceramente a sociedade eclesial e a civil. Sem olhar para si mesma.
(Livro: Quando Deus chama, pag. 46 e 47 – Ed. Paulinas)

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário abaixo e não esqueça de colocar seu nome. Obrigada!