quarta-feira, 5 de junho de 2013

Uma Irmã Paulina na família

Confira o testemunho da Irmã e sobrinha de Ir. Ivonete Kurten, que partilha conosco a alegria de ter uma Irmã Paulina na família, principalmente agora  que celebra 25 anos de Vida Religiosa.

Tenho uma irmã freira

Sou Elena Kurten Bertti, moro em Camboriú (SC), viúva, tenho dois filhos: o Allysson e o Anderson, e a 9º filha de Antonio e Maria Söethe Kurten. O que me faz escrever é o desejo partilhar com você o fato de eu ter uma irmã freira, a Ivonete kurten. Ela pertence à Congregação das Irmãs Paulinas que evangelizam com a comunicação e os meios de comunicação social. Neste ano, ela está celebrando seus 25 anos de Consagração na Vida Religiosa.
 
Partilho como foi essa história, quando a Ivonete decidiu entrar no convento. Ufa! É emocionante. Acompanhe-me:
Começo lembrando os preparativos para a entrada de Ivonete, na congregação das Paulinas. Recordo a minha mãe comprando o enxoval toda feliz e, ao mesmo tempo, orgulhosa, pois sempre desejou que, pelo menos um de seus dez filhos, fosse freira ou padre, para servir a Jesus.
Confesso que ao ver tudo isso e a alegria de minha mãe, fiquei um pouco enciumada e reclamei, mas a mãe explicou que a Ivonete precisava de tudo o que ela está comprando e fazendo, para seguir a sua vocação e entrar na Congregação das Irmãs Paulinas. Eu e as minhas outras irmãs concordamos e aceitamos. Daí em diante tudo foi uma grande alegria, pois a Ivonete estava feliz com a sua decisão de entrar no convento.

Entrada na Congregação

No dia de sua partida, nove de fevereiro de 1983, todas nós choramos muito enquanto o carro, que a levava para pegar o ônibus e ir para a casa das Irmãs, se distanciava de nossa casa... Lembro nosso irmão Mateus falando: "Não precisam chorar, ela não vai para a guerra, daqui a pouco ela volta para nos visitar".
E assim foi, quando ela vinha de férias, em nossa casa, fazíamos as coisas que ela gostava de comer, lógico com a supervisão da nossa mãe.
O tempo foi passando, todos nós, de casa, seguindo cada qual o seu caminho, porém, sempre unidos em pensamentos e oração.
Casamos, tivemos filhos, e a Ivonete sempre esteve presente nesses momentos. Ela fazia seus estudos, seguia sua vocação com muito amor; percebíamos que era isso que ela queria.

Consagração religiosa
Chegou o grande dia do seu sim para se tornar Irmã. Fomos, como família, em São Paulo (SP), para participar de uma cerimônia muito bonita, na qual ela deu o seu sim a Jesus, na Congregação das Irmãs Paulinas.
Cinco anos depois foi na comunidade de São Sebastião, em Alto Lageado, no município de Arapuã (PR), onde nascemos. Fizemos uma grande festa, durante a qual a Ivonete fez seus votos perpétuos, ou seja, disse para todos nós, que seria freira por toda a sua vida. Foi muito lindo esse dia para a nossa família.
Tivemos uma grande perda, que foi nossa mãe. Nessa hora, com a sua experiência, nos ajudou a aceitar a vontade de Deus. Com tudo isso, posso dizer que a Irmã Ivonete, com sua vocação, nos ajuda sempre a compreender as coisas da vida, na simplicidade do dia a dia.

Vinte e cinco anos depois

Hoje, sei que ela trabalha muito, conheceu vários lugares, pessoas e situações diferentes, ajuda muitas pessoas, mas para nós nunca deixou de ser a nossa "nena" (apelido dela em casa), que nos ama, e do mesmo modo nós a amamos.
Querida mana Ivonete, agradeço-lhe por tudo que fez por mim quando perdi o Edson, seu apoio e suas palavras foram muito importantes. Agradeço a Deus pela sua vocação, pois, através dela, você ajuda a todos nós, continue sendo sempre assim, ajudando o povo de Deus. Beijos e fique com Deus, sua mana Elena.

Recadinho às famílias:
Deixo um recadinho aos pais das jovens que querem ser freira. Apoiem as suas filhas quando manifestam o desejo de servir a Deus na Vida Religiosa. Essa decisão de vocês e de sua filha de acolher o chamado de Deus só traz bênção para a família. Foi isso que aconteceu conosco. Ela é feliz e nós, os abençoados
.


Tenho uma tia freira...


Ter uma tia Freira é um orgulho, principalmente em nossos dias, nos quais os valores estão perdidos, sei que ela vive uma constante dedicação a Deus e às pessoas. É certo que ser Freira é uma árdua “profissão” como qualquer outra, exigindo muito esforço e dedicação, além de não ser nada fácil abandonar o aconchego do lar e abrir mão da família, assumindo a missão de evangelizar. Enfim, consigo perceber que minha tia é realizada e feliz servindo a Deus.
* Diana Kurten Crozetta é sobrinha de Irmã Ivonete Kurten, que completa, neste ano, 25 anos de Consagração na Vida Religiosa.


0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário abaixo e não esqueça de colocar seu nome. Obrigada!