quinta-feira, 25 de maio de 2017

Os jovens, a fé e o discernimento vocacional - Parte 4

Lugares - A vida quotidiana e o compromisso social 

Tornar-se adulto significa aprender a gerir autonomamente dimensões da vida que são fundamentais e, ao mesmo tempo, quotidianas: a utilização do tempo e do dinheiro, o estilo de vida e de consumo, o estudo e o tempo livre, a roupa e a comida, a vida afetiva e a sexualidade. Esta aprendizagem, que inevitavelmente os jovens devem enfrentar, é a ocasião para colocar em ordem a própria vida e as suas prioridades, experimentando percursos de escolha que podem tornar-se uma escola de discernimento e consolidar a orientação pessoal, tendo em vista as decisões mais importantes: quanto mais autêntica for a fé, tanto mais interpelará a vida quotidiana e por ela se deixará interrogar. 
Merecem uma menção particular as experiências, muitas vezes difíceis ou problemáticas, da vida de trabalho ou relativas à falta de trabalho: também elas constituem uma ocasião para compreender ou aprofundar a própria vocação.Os pobres gritam e, juntamente com eles, também a terra: o compromisso a ouvir pode ser uma ocasião concreta de encontro com o Senhor e com a Igreja, bem como de descoberta da própria vocação. Como ensina o Papa Francisco, as ações comunitárias mediante as quais cuidamos da casa comum e da qualidade de vida dos pobres, “quando exprimem um amor que se doa, podem transformar-se em experiências espirituais intensas” (Laudato si’, 232), e, portanto, também em oportunidades de caminho e de discernimento vocacional.

Ir. Mery Elizabeth de Sousa, fsp


Fonte: DOCUMENTO PREPARATÓRIO - SÍNODO DOS BISPOS 2018 - XV ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA - Os jovens, a fé e o discernimento vocacional.

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário abaixo e não esqueça de colocar seu nome. Obrigada!