sábado, 4 de junho de 2011

Vamos conhecer um pouco da Ir. Natália Maccari. Ela também celebra 50 anos de vida consagrada Paulina. É missionária e vive e exerce o apostolado paulino em Roma, Itália, de onde respondeu as nossas perguntas:


1. Ir. Natália, conte-nos um pouco como sentiu o chamado do Senhor para ser religiosa?
Digo sempre que a minha vocação religiosa veio com o leite materno, pois desde que me conheço por gente desejei ser religiosa, nunca tive nenhum outro desejo em mente. A minha mãe desejava ser religiosa e os seus não lhe permitiram, então, certamente ela passou este desejo de um modo muito forte para mim, é congênito. A minha dúvida não foi ser religiosa ou não, mas sim, discernir qual seria a Congregação; e aqui eu constatei a simpatia de Deus para com as Paulinas, pois mesmo na véspera que eu devia dar o meu sim e organizar a minha entrada em outra congregação ele me puxou para as paulinas; chegaram elas algumas horas antes e alteraram totalmente o meu programa. Meu (?).

2. Ao olhar sua caminhada nesses cinqüenta anos, consagrada ao Senhor para anunciar o Evangelho, sente-se feliz e realizada por ter respondido seu “Sim” a vocação?
Esta ocasião do jubileu é um grande momento para analisar o vivido, e eu estou revendo o meu passado como num back down de um filme, e constato que a vida da gente é projetada pelas decisões, pelas escolhas, pelos “se – se” É fantástico observar que é justamente esse “se esse ou aquele, se isso ou aquilo” que vai fazer a diferença na nossa vida, que vai traçar a nossa identidade. Se, ao invés de escolher as Paulinas eu houvesse escolhido a outra congregação, minha vida teria sido completamente diferente. De fato, a qualidade da vida é determinada pela seqüência desses se, não só nas grandes, mas também nas mínimas decisões do dia-a-dia. O discernimento é decisivo, ele pinta o quadro da obra prima que é a nossa vida. Você pergunta se estou feliz. Sim, sou muito feliz. Olhando para trás me parece que se eu não fosse Paulina, minha vida não teria sentido. Eu desde pequena sentia o desejo de fazer o bem às pessoas e, na minha cabeça de criança, o bem era a caridade material, mas com o driblar de Deus que me orientou para as Paulinas, descobri que o melhor bem que se pode fazer às pessoas é proporcionar a elas conhecimento, informação, é dividir com todos a fé, a alegria de saber que somos filhos de Deus e que ele nos ama. Como irmã Paulina, comunicar a verdade de Jesus é o meu empenho de todos os dias. Pode haver algo mais nobre, mais empolgante, mais satisfatório?

3. No caminho, certamente, além das alegrias e flores, deparou-se também com sofrimentos e cruzes. Qual foi a força que encontrou para permanecer fiel?
Sim, os espinhos fazem parte da vida, e quando acontecem nos fazem sofrer, mas se temos uma segurança, uma paixão também os espinhos são previstos, e aceitos com serenidade. Existem momentos duros, difíceis, mas os momentos de alegria, de entusiasmo são muito mais freqüentes, e o testemunho, a compreensão das pessoas que convivem conosco são uma ajuda preciosa nestes momentos. O fato de saber que estamos realizando algo para o nosso bem e o bem das pessoas, para construir a paz, para o mundo ser melhor é uma fonte de energia. E o mais importante é estar convicta de que Deus nos chamou, é ele que está conduzindo este projeto e por isso chegará a bom termo.

4. Diga uma palavra aos jovens, que hoje, sentem Deus a chamar-lhes para segui-lo mais de perto.
É fundamental fazer silêncio, escutar a voz de Deus que nos fala através das pessoas, dos acontecimentos e no profundo do nosso coração. O importante é diante de um “se – se” discernir não qual é o melhor, o mais agradável, mas qual é a vontade de Deus para nós, o que nos realiza profundamente. Tantas coisas nos atraem, nos apaixonam, mas só Deus nos realiza realmente e nos faz felizes.

5. Um trecho do Evangelho que marca seu caminho vocacional
Os trechos do evangelho que marcaram a minha vida vão mudando durante o percurso, um porém que me acompanha sempre é o capítulo 15 de são João, a videira e os ramos. “Quem está unido a mim produz muito fruto... sem mim nada podeis fazer... o meu fruto é o amor... eu os destinei para ir e dar fruto e para que o fruto de vocês permaneça... O meu mandamento é esse: amem-se uns aos outros...”.

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário abaixo e não esqueça de colocar seu nome. Obrigada!