sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Sou realizada na minha vocação de Irmã Paulina

"Sou Irmã Celina Helena. Eu era adolescente e preparava-me para ingressar na congregação das Irmãs da Divina Providência. Todos os anos passava na cidade de Itapiranga (SC), uma irmã paulina, que me causava uma impressão muito bonita, pela sua contagiante alegria e vibração na missão. A grande pasta de livros que Ir. Edwiges trazia era esvaziada rapidamente quando chegava à minha casa, pois papai dizia: “Escolham um livro para cada um”. E a irmã nos mostrava tudo o que ela havia trazido para aquele ano. Todos os anos ela me convidava para ser paulina. Mas em 1955, senti algo diferente e eu disse ao meu pai: “Pai, acho que vou ser uma irmã paulina, como a irmã que está hoje em nossa casa”. Papai logo se opôs e me fez refletir, achando que era um mero fervor. Passaram-se mais dois anos e eu resolvi ingressar na Congregação. Tornei-me paulina e já me consagrei há 47 anos.
Tenho uma grande paixão pela leitura, teologia, música e artes. Descobri na teologia e nos longos anos no editorial, o grande valor da leitura e a minha paixão para escrever. Atuei por mais de 26 anos na COMEP, percebendo, mais do que nunca, o grande encanto de evangelizar através da música, podendo expressá-la também, na pastoral da música e do canto, iniciando no Centro Social Tecla Merlo das Irmãs Paulinas, o coral que leva o mesmo nome.
Atualmente continuo escrever, trabalho na avaliação de obras para as livrarias Paulinas, colaboro com a Rádio Evangelizar de Curitiba, fazendo alguns programas e à medida da necessidade, colaboro na Livraria Virtual.
Sou uma irmã paulina, realizada e feliz. Amo o que faço e procuro me dedicar naquilo que me é confiado. Para mim não existem três votos na vida religiosa, pois a GRATUIDADE, é o valor maior e compreende os três votos. Ser Gratuito é ser pobre e ser dócil àquilo que Deus quer pedir de mim, através da voz dos superiores.
A alegria da doação é o que mais importa: se eu sou alegre na doação, sou feliz e realizada. A religiosa não é uma mulher frustrada e triste porque não exerceu a maternidade física. Acho que a maternidade da religiosa é maior do que a da mãe porque uma irmã consagrada, tem o mundo aos seus pés. "
Irmã Celina Helena Weschenfelder

0 Comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário abaixo e não esqueça de colocar seu nome. Obrigada!